terça-feira, abril 24, 2007

Da série simples e compelxo


Eu nunca li nada do Rilke além de poemas esparsos. Em outubro do ano passado comprei Rilke, Cartas a um jovem poeta, um pocket editado pela L&PM, mas não cheguei a ler. Ontem, buscando um livro na estante, dei de cara com ele e peguei para ler. Para a minha surpresa, o texto de Rilke se encaixa perfeitamente no objeto de meus últimos pensamentos: a simplicidade com conteúdo. É impressionante como a construção narrativa de Rilke pode ser tão simples, clara, articulada, sem rodeios para falar dos assuntos mais complexos da vida.

Seria tão mais fácil optar pelo caminho simples, por uma visão simples - longe de ser simplória. Mas é mais simples, quase natural, complicar.

Enfim, vou parar por aqui. Do contrário, poderia por tudo a perder, tornando o que é simples e significativo uma fonte de complicações desnecessárias. O simples e o complexo podem coexistir harmonicamente, só depende de quem manuseia as ferramentas.

Um comentário:

Bianca disse...

É isso aí, para que complicar a vida e as coisas, de um modo geral? Tá tudo tão dificil que ser simplista nos dias de hoje se torna essencial, e por que não uma válvula de escape? A leveza dos pensamentos, do estilo de vida, dos textos, de tudo, faz com que consigamos passar pelas barreiras da vida mais tranquilamente e nos estressemos menos...