segunda-feira, novembro 06, 2006

As tiradas do Luquinhas

Tarde de domingo. Descansando do almoço. Deitados no sofá, eu e o Lu conversamos sobre o natal. A lista de presentes para a família é interminável e a gente vai brincando de levantar os nomes dos presenteados. Chega a vez da minha cunhada.

- Lu, vamos pedir para o papai do céu dar um bebê de presente para a tia B? É que o papai do céu sempre atende os pedidos das crianças.

- Então vou pedir para o papai do céu um menino grande, mãe.

Dou corda:

- Um menino grande? Como assim?

- É, mãe [diz ele irritado com a minha falta de entendimento. Tipo: mãe, sua burra]. Vou pedir um menino grande meu, da gente, para brincar comigo todo dia.

- Meu Deus, você quer um irmão? É isso? Da minha barriga?

- Isso, mãe. Eu quero um irmão da barriga. Grande, do meu tamanho para brincar comigo.

- Mas, filho, eles nascem pequenos e pode até ser uma menina. Vai demorar para ele crescer e a mamãe não vai fazer um bebê tão cedo.

- Pode fazer um bebê, mãe. Pode deixar, que eu ensino a fazer xixi no penico e não deixo o Bily arranhar ele.


Não falei mais nada. Ele se aproveitou para pedir um irmão para o papai do céu. E só tem 3 anos o safadinho. Filho único é mesmo muito solitário.

2 comentários:

Bianca disse...

A tia B ficou realmente muito feliz e emocionada com o apoio desta escritora talentosa... Obrigada de verdade!!! Este presente suplantaria qualquer outro... Ficou também estupefata com a esperteza e inteligência do raciocínio deste rapazinho de apenas 3 anos (as crianças de hoje são muito mais precoces que as de ontem)... e, por fim, a tia B concorda com o Luquinhas de que um irmãozinho se faz necessário, desde que é lógico, o casal possa ter se estabilizado estrural e financeiramente... Quem sabe este não será o projeto 2008??? De qualquer forma, enquanto isso, espero que Papai Noel atenda em tempo o projeto 2006/2007 da tia B... Bjs

Juba ::: disse...

Hum, não senti muita firmeza nessa de não atender o pedido, hein?
Mas dá um toque pra ele... Diz que irmã pra brincar também é bom.